A tarefa mais difícil da adolescência

Foto por Thiago Matos em Pexels.com

Se separar dos pais! 


Todo adolescente tem que trilhar um caminho de crescimento que inclui enxergar o mundo com os próprios olhos, mas este olhar é sempre influenciado pelo relacionamento com os pais. 
A separação do adolescente em relação aos pais inclui abandonar a ideia que a felicidade está em satisfazer os pais. E a descoberta e aprendizado, libertador, de saber que ele pode buscar sua própria satisfação independente do desejo dos pais. 

Continue lendo “A tarefa mais difícil da adolescência”

Análise do filme Sete minutos depois da meia noite

sete minutos post

O filme aborda o doloroso trabalho de luto e vai fundo nessa temática ao acompanhar a história de Conor (atuação impecável de Lewis MacDougall) um menino que está perdendo sua mãe para um câncer. O filme começa com um sonho (pesadelo) onde o chão está desmoronando. Temos o costume de usar a expressão ficar sem chão quando passamos por alguma situação de extrema dificuldade. Como a morte, por exemplo.

O luto envolve emoções ambivalentes e o filme explora isso com muita beleza o tempo todo. Raiva, culpa, abandono, tristeza, agressividade, revolta, negação…

O filme apresenta o processo de luto em todas as suas fases: Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Perder alguém lentamente é exaustivo e Continue lendo “Análise do filme Sete minutos depois da meia noite”

Sonhos: revelação do inconsciente

pexels-photo-4473864.jpeg

De todas as características dos sonhos a mais interessante é o seu sentido. Os sonhos são o reflexo do nosso mundo mental e nenhum sonho é por acaso. Ao sonhar nosso verdadeiro ser se manifesta e podemos entrar em contato com o que somos e com o que desejamos.
A obra A Interpretação de Sonhos, publicada em 1899, é conhecida como o mais importante estudo psicanalítico de Freud. Na impressão consta a data de 1900, pois ele queria que sua descoberta fosse associada ao início de um novo século. Nessa obra Freud escreveu: “O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente”. Um sonho não analisado era para Freud como uma carta fechada. Suas teorias causaram uma revolução no estudo da mente.
O sonho da maneira como o lembramos é, na verdade, um substituto disfarçado dos conteúdos inconscientes. O que sonhamos nunca é o que parece ser, mas sim algo distorcido, que para ser compreendido precisa ser decifrado.
O sonho possui dois componentes: O conteúdo manifesto e o conteúdo latente. O primeiro é Continue lendo “Sonhos: revelação do inconsciente”

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: