Não tenha medo de se conhecer

Se arrumar a casa já dá preguiça, imagina colocar em ordem as coisas da mente?

Muitas vezes a arrumação nos faz perceber que tínhamos coisas que só ao pararmos para olhar é possível realmente se dar conta.

Você já reparou em como a bagunça começa? É uma coisinha largada aqui, outra esquecida ali…

Assim é nossa casa interior também. Se deixarmos as coisas acumularem fica mais difícil de dar conta depois.

Sem falar nas desculpas que arrumamos, né?

“Amanhã eu faço, hoje estou sem tempo.”

Mas mesmo sem tempo gastando boas horas rolando a tela do celular não é mesmo?

Dizemos para nós mesmos que podemos conviver com isso, passar por cima, fingir que não existe, mas uma hora ou outra a bagunça nos faz lembrar que ainda está lá. E parar pra cuidar dela exige esforço e sabedoria.

Você tem medo de se conhecer?

É, pois é! Eu sei! Olhar para si exige muito. Abrir as velhas gavetas, arrancar tudo de dentro, separar o que já não serve mais, escolher com o que quer ficar.

Se encarar de frente, saber o que realmente deseja, de forma consciente, te torna protagonista da sua própria história e não mais figurante. Além de possibilitar a construção de um caminho mais ciente e autêntico.

Afina, depois que arrumamos a bagunça dá um alívio danado, né? Como é boa aquela sensação de dever cumprido e coisas em ordem! Uma das melhores sensações do mundo é habilitar um lugar confortável e tranquilo.

A sensação de se sentir no seu lar começa na mente, passa pelo corpo e se estende para o exterior. Só em casa podemos ser quem somos de verdade!

Você é sua própria casa. Não tenha medo de entrar e se conhecer!

Amanda Garcia CRP 06/130484

Atenção: As informações contidas neste site têm caráter informativo. Não substituem o processo de psicoterapia e não devem ser utilizadas para realizar auto-diagnóstico.

Agende uma sessão ou entre em contato para mais informações: (19) 997428871

Decepção dos pais em relação aos filhos: Ajustando as expectativas

pexels-photo-7302917.jpeg

O processo de criação e educação dos filhos envolve expectativas e idealizações por parte dos pais que, na maior parte das vezes, não se concretizam ao longo do tempo. Como lidar com isso? Como enfrentar as decepções inerentes à constatação de que nossos filhos não são *exatamente* aquilo que sonhamos ou que planejamos para eles?

Segundo Freud, encontramos na atitude dos pais afetuosos em relação aos filhos uma revivescência do seu próprio narcisismo, ou seja, do amor por si mesmo. Os pais lhes atribuem todas as perfeições, e esperam que satisfaçam seus desejos e sonhos não realizados: os filhos não passarão pelas mesmas dificuldades pelas quais eles próprios passaram. Serão o “centro e o âmago da criação, Sua Majestade o Bebê ”, como os pais se imaginavam quando muito pequenos. A própria imortalidade é alcançada por meio dos filhos, já que são sentidos como os continuadores do legado dos pais.

Diante disso podemos compreender, em parte, os motivos para os sentimentos de decepção em relação ao filho. Projetam-se nele expectativas que correspondem a projetos pessoais dos pais e que muitas vezes não levam em conta a Continue lendo “Decepção dos pais em relação aos filhos: Ajustando as expectativas”

Manifestações do inconsciente – Parte 3: Sonhos

pexels-photo-914910.jpeg

De acordo com Freud “O sonho é a estrada real que conduz ao inconsciente”. O sonho é a realização de um desejo recalcado, que por ter sido expulso da consciência só pode se manifestar se for disfarçado. Portanto só é possível reconhecer o desejo expresso no sonho através da interpretação, que é feita no processo de análise a partir das associações do sonhador.

Para a Psicanálise todo sonho se apresenta como um enigma, uma linguagem cifrada que exige decifração.

O sonho é formado por imagens que visam representar palavras.

COMO NO JOGO REBUS Continue lendo “Manifestações do inconsciente – Parte 3: Sonhos”

Nossas solidões

pexels-photo-1280162.jpeg

Se te é impossível viver só, nasceste escravo. Podes ter todas as grandezas do espírito, todas da alma; és um escravo nobre, ou um servo inteligente: não és livre

Fernando Pessoa (Fragmentos de uma autobiografia, 2011, p.245).

A palavra solidão nomeia um estado que não é sentido da mesma forma por todas as pessoas. Para alguns a solidão é o decreto dos travesseiros pesados, das tristezas profundas, do vazio sem palavras. Buscam fugir dela, pois é sentida como intolerável e desesperadora.  Já para outros a solidão é um estado desejado, planejam os momentos em que enfim conseguirão ficar a só, para usufruir plenamente de pequenos prazeres como ouvir música, ler um bom livro, fruir da beleza, ter compreensões íntimas.

Freud ao longo de todo o seu desenvolvimento teórico irá afirmar a intensa dependência que um ser humano possui de outro, para sobreviver e se desenvolver. Ele formula a compreensão de que o desamparo seria uma condição fundadora do ser humano, pois só é possível se humanizar na relação com outro. Somos vulneráveis ao desejo, à vontade e ao olhar de outro. O que ocorre é que muitas vezes essa dependência se torna tão grande que anulamos nosso próprio desejo, nossas vontades e nosso olhar em prol de outras pessoas. Ficamos alienados de nós mesmos, não sabendo nomear sozinhos o que nos faz sofrer. Assim, em momentos de solidão somos tomados pela angústia, quando aquilo que está oculto em nós (que negamos em prol do outro) pode irromper (Freud, 1926/1993).

Ficar sozinho não é fácil, pois, impõe a companhia de si mesmo. Essa angústia ou a tristeza da solidão não advém somente do estado de estar só, mas das Continue lendo “Nossas solidões”

Site no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: