o obsessivo e sua forma de se relacionar com seus objetos de amor

No espaço de investimentos dos objetos de amor, o obsessivo frequentemente dá o melhor de si mesmo, isto é, paradoxalmente tudo e absolutamente nada. “Tudo”, no sentido que ele pode tudo sacrificar; “nada”, na medida em que não aceita perder. Não se trata aí de duas disposições incompatíveis. Muito ao contrário, é nesta medida que se estabiliza qualquer estratégia desejante do obsessivo. De fato, esta estratégia gira essencialmente em torno da questão do gozo do outro, diante do que convém tudo controlar, isto é, neutralizar todos os sinais exteriores. Da mesma forma, para que nada saia do lugar, nada deve gozar, o desejo deve estar morto. Nestas condições, Continuar lendo “O obsessivo e seus objetos de amor”